sábado, 28 de março de 2015

(Lucélia) 1ª Festa da Costela


Para festas, Casamentos, etc.


(Lucélia) Programação da Semana Santa


IBGE cancela contagem populacional por falta de recursos

Montante necessário para pesquisa não
 foi previsto no Orçamento de 2015
(foto: divulgação)
A falta de recursos obrigou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a cancelar a Contagem da População 2016. Em nota, o Ministério do Planejamento, responsável pelo IBGE, confirmou  o cancelamento da pesquisa. Segundo o Planejamento, o alto custo da pesquisa, orçada em R$ 2,6 bilhões, foi o fator responsável pelo cancelamento. O montante não está previsto no Orçamento de 2015. Estão mantidas as demais pesquisas do IBGE, como o Sistema de Contas Nacionais, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, a Pesquisa de Orçamentos Familiares e o Censo Agropecuário de 2017.
Sem a Contagem da População, um novo levantamento populacional só será feito no Censo de 2020. Usada no cálculo dos repasses da União aos estados e aos municípios, a Contagem da População é feita por amostragem e não exige a ida de técnicos do IBGE de casa em casa, como no censo.
Apesar da amostra menor, a pesquisa envolve cerca de 80 mil recenseadores. A compra de equipamentos e a contratação de trabalhadores temporários começariam a ser planejadas em 2015 para a execução do levantamento em 2016. Sem a Contagem da População, estados e municípios receberão repasses federais com base em estimativas do IBGE.
Fonte: Agência Brasil

Aneel mantém bandeira vermelha para energia elétrica em abril

 
Foto: Agência Brasil - Arquivo
Desde o início do ano, quando o sistema passou a
vigorar, o custo de energia está mais caro 
A Agência Nacional de
Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta tarde de sexta-feira, 27, a manutenção da bandeira vermelha para todos os consumidores de energia durante o mês de abril. A bandeira vermelha implica em um acréscimo de R$ 5,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos em todos os Estados, exceto Amazonas, Amapá e Roraima.


  Desde o início do ano, quando o sistema de bandeiras tarifárias passou a vigorar no Brasil, o custo de energia está mais caro para o consumidor. A bandeira vermelha representa a existência de condições mais adversas para a geração de elétrica no País. Há ainda a bandeira amarela, quando a cobrança adicional é de R$ 2,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos, e a bandeira verde, sem custo adicional.

  O sistema de bandeiras tarifárias, implementado com o intuito de alertar o consumidor a respeito do custo corrente de geração, além de dividir com ele esse custo, já passou por um reajuste. Em janeiro, o valor adicional cobrado na bandeira vermelha era de R$ 3 para cada 100 kWh. No caso da bandeira amarela, o acréscimo era de R$ 1,50 por 100 kWh. A partir de março, contudo, os valores foram elevados em 83,3% e 66,6%, respectivamente. 
Fonte: http://www.folhadaregiao.com.br

Após denúncia de vereadores, justiça interdita Parapuã Piscina Clube

Piscinas do local estão sem condições de uso e Prefeitura tem 15 dias para limpá-las

Por Pedro Afonso

FOTOS: WELLINGTON PNEU                     
PARAPUÃ - A Justiça de Osvaldo Cruz determinou a interdição provisória do Parapuã Piscina Clube (PPC), após denúncias dos vereadores Wellington Pneu e Glauco Monteiro
Através de fotos em rede social, Pneu mostrou o estado de abandono em que se encontram as piscinas do PPC, que estão cheias de lodo e ainda podem servir de criadouro para o mosquito transmissor da Dengue.
De acordo com a sentença, o PPC está provisoriamente interditado, até que a Prefeitura de Parapuã realize as limpezas e reparos necessários no local.
Enquanto isso, o local não pode receber qualquer tipo de evento. Caso a decisão seja descumprida, a Prefeitura estará sujeita a multa de R$ 10 mil por violação.

Além disso, o prazo para que as limpezas sejam realizadas é de 15 dias, sob pena de multa diária no valor de R$ 250, consolidada em 30 dias.
Fonte: http://www.ocnet.com.br

Santo do Dia

28 de Março

São Xisto III

Xisto chegou a adotar uma posição neutra na controvérsia entre pelagianos e semipelagianos do sul da Gália, especialmente contra Cassiano, sendo advertido pelo papa Zózimo. Mas reconheceu o seu erro, com a ajuda de Agostinho, bispo de Hipona, que combatia arduamente aquela heresia, e que lhe escrevia regularmente.

Ao se tornar papa em 432, Xisto III agindo com bastante austeridade e firmeza, nesta ocasião, Agostinho teve de lhe pedir moderação. Foi assim, que este papa conseguiu o fim definitivo da doutrina herege. Esta doutrina pelagiana negava o pecado original e a corrupção da natureza humana. Também defendia a tese de que o homem, por si só, possuía a capacidade de não pecar, dispensando dessa maneira a graça de Deus.

Ele também conduziu com sabedoria uma ação mais conciliadora em relação a Nestório, acabando com a controvérsia entre João de Antioquia e Cirilo, patriarca de Constantinopla, sobre a divindade de Maria. Em seguida, demonstrou a sua firme autoridade papal na disputa com o patriarca Proclo. Xisto III teve de escrever várias epístolas para manter o governo de Roma sobre a lliría, contra o imperador do Oriente que queria torná-la dependente de Constantinopla, com a ajuda deste patriarca.

Depois do Concílio de Éfeso em 431, em que a Mãe de Jesus foi aclamada Mãe de Deus, o papa Xisto III mandou ampliar e enriquecer a basílica dedicada à Santa Mãe das Neves, situada no monte Esquilino, mais tarde chamada Santa Maria Maior. Esta igreja é a mais antiga do Ocidente que foi dedicada a Nossa Senhora.

Desta maneira ele ofereceu aos fiéis um grande monumento ao culto da bem-aventurada Virgem Maria, à qual prestamos um culto de hiperdulia, ou seja, de veneração maior do que o prestado aos outros santos. Xisto III, mandou vir da Palestina as tábuas de uma antiga manjedoura, que segundo a tradição havia acolhido o Menino Jesus na gruta de Belém, dando origem ao presépio. Introduziu no Ocidente a tradição da Missa do Galo celebrada na noite de Natal, que era realizada em Jerusalém desde os primeiros tempos da Igreja.

Durante o seu pontificado, Xisto III promoveu uma intensa atividade edificadora, reformando e construindo muitas igrejas, como a exuberante basílica de São Lourenço em Lucina, na Itália.

Morreu em 19 de agosto de 440, deixando a indicação do sucessor, para aquele que foi um dos maiores papas dos primeiros séculos, Leão Magno. A Igreja indicou sua celebração para o dia 28 de março, após a última reforma oficial do calendário litúrgico.  

Fonte: www.paulinas.org.br